emrodagem_Adolfo_Francisco.jpg

Independência

 

INDEPENDÊNCIA

DOCUMENTÁRIO | ANGOLA | 2016 | 1H45M

 PRODUÇÃO Paulo Lara & Jorge Cohen | CONSULTORIA HISTÓRICA Conceição Neto | DIR. DE FOTOGRAFIA Kamy Lara

 REALIZAÇÃO  Fradique (Mário Bastos) 

LOGLINE

"Independência" parte de memórias da situação colonial em Angola, revela os passos iniciais da luta de libertação e percorre alguns dos seus principais cenários.

SINOPSE

A 11 de Novembro de 1975 Angola proclamou a independência, 14 anos depois do início da luta armada contra o domínio colonial português. O regime de Salazar recusava qualquer negociação com os independentistas, aos quais restava a clandestinidade, a prisão ou o exílio. Quando quase toda a África celebrava o fim dos impérios coloniais, Angola e as outras colónias portuguesas seguiam um destino bem diferente. Só após o golpe militar de 25 de Abril de 1974 ter derrubado o regime, Portugal reconheceu o direito dos povos das colónias à autodeterminação.

Os anos de luta evocados em "Independência" determinaram o rumo de Angola após 1975. Opções políticas, conflitos internos e alianças internacionais começaram a desenhar-se durante a luta anti-colonial. As principais organizações (FNLA e MPLA e, mais tarde, UNITA) nunca fizeram uma frente comum e as suas contradições eram ampliadas pelo contexto da Guerra Fria. A independência foi proclamada já em clima de guerra, mas com muita emoção e orgulho, como é contado no filme.

 
 
 
 

TRAILER

EQUIPA & ELENCO

 
 
JORGE COHEN PRODUTOR

JORGE COHEN PRODUTOR

KAMY LARA DIR. FOTOGRAFIA

KAMY LARA DIR. FOTOGRAFIA

PAULO LARA PRODUTOR

PAULO LARA PRODUTOR

CHARLES ALEXANDER EDITOR

CHARLES ALEXANDER EDITOR

CONCEIÇÃO NETO CONS. HISTÓRICA

CONCEIÇÃO NETO CONS. HISTÓRICA

KALAF EPALANGA NARRADOR

KALAF EPALANGA NARRADOR

FRADIQUE REALIZADOR

FRADIQUE REALIZADOR

VICTOR GAMA COMPOSITOR

VICTOR GAMA COMPOSITOR

 
 
 

NOTA DO REALIZADOR

Como a maior parte das pessoas da minha geração, eu tinha um desconhecimento profundo do nosso passado. Ensinaram-nos mais a estar e a reagir no presente. As poucas reflexões sobre o passado eram sempre partilhadas pelos kotas com uma dose de saudosismo e amargura. Comecei a querer conhecer melhor as pessoas e as ideias daqueles que lutaram pela independência do nosso país. 

Trabalhar seis anos no projecto "Angola - Nos Trilhos da Independência", com acesso ao Centro de Documentação da Associação Tchiweka, foi essencial para conseguir fazer este documentário. A narrativa e estética do filme baseiam-se muito no processo e na experiência que tive durante esses anos, convivendo com as memórias daqueles que deram os seus testemunhos e com os materiais de arquivo. Ler num jornal a notícia das prisões do "Processo dos 50", ouvir uma gravação de Che Guevara reunido com nacionalistas angolanos no Congo, ou ver as fotos do dia-a-dia nas bases de guerrilha, deixava-me sempre emocionado. Por isso, em todos os mapas, fotos, documentos, jornais e cartas do filme sente-se essa procura, esse revelar e encontrar o passado, depois de mais de 40 anos. O ponto de vista do filme é o da geração que participou na luta, são eles a partilhar as suas memórias. A própria intervenção do narrador foi escrita nesse tom, de alguém que hoje olha para trás e faz uma reflexão sobre esse tempo, e se pergunta ,"Que memória resta da nossa luta?."

Concluído o filme, espero que ele consiga criar diálogo entre as gerações que participaram na luta e as que nasceram depois de 1975. 

Está na hora de olharmos para o passado com os pés bem assentes no presente, e reflectirmos sobre onde estamos e o que somos, como país, 40 anos depois da nossa Independência.  

PRÉMIOS + FESTIVAIS

  • Prémio Nacional da Cultura | Angola | 2015
  • Selecção Oficial Festival Internacional de Durban | África do Sul | 2016
  • Selecção Oficial Festival Pan Africano | Estados Unidos da América | 2017
  • Melhor Documentário Festival Internacional dos Camarões | Camarões | 2016
  • Selecção Oficial Festival de Luxor | Egipto | 2015

“Independência” coloca-se na linha da frente contra o esquecimento da história.”
— Novo Jornal

MAKING OF

 
 
 

Copyright © 2017 Geração 80